sexta-feira, 25 de março de 2022

sexta-feira, 4 de março de 2022

Absolutamente Lamentável e Alinhado Com a Narrativa Putinesca


Contra todas as guerras



Qualquer comparação ou similitude entre a invasão russa (regime totalitário) da Ucrânia (democracia pacífica) e qualquer outro conflito armado no mundo é pura hipocrisia.

terça-feira, 1 de fevereiro de 2022

Um Tiranete Da Esquerda Caviar

 

Assunto: ADD – documento remetido aos avaliadores relativo a fundamentação Ex.mos/as Senhores/as Educadores/as e Professores/as

Em anexo, envia-se a todos os docentes (potencialmente todos/as avaliados/as ou avaliadores/as) um documento remetido, há dias, aos avaliadores/a e membros da SADD relativo à necessidade de fundamentação da avaliação de desempenho.
Crê-se que este documento é de interesse de todos/as os/as docentes envolvidos/as no processo de ADD porque precisa uma informação aos avaliadores/as que beneficia a qualidade do processo e as garantias dos avaliados/as (e, mais ainda, a segurança jurídica do processo).
O dever de fundamentar os atos que “neguem, extingam, restrinjam ou afetem por qualquer modo direitos ou interesses legalmente protegidos, ou imponham ou agravem deveres, encargos, ónus, sujeições ou sanções” resulta da alínea a) do nº 1 do artigo 152º do Código do Procedimento Administrativo.
Sendo a ADD um procedimento administrativo, rege-se por esse código, além das restantes normas, muitas delas, meros regulamentos sempre subordinados à Lei.
Os resultados da ADD afetam “direitos ou interesses legalmente protegidos”, entre outros, o direito à carreira, o acesso a funções públicas, à remuneração e até à própria equidade interna do processo (dado que o legislador definiu expressamente a avaliação, ela própria, como direito).
Assim, tem de ser, obviamente, bem, e especialmente, fundamentados os resultados que gerem avaliações prejudiciais (Ex: abaixo do nível dito suficiente, isto é, bom), facto que geralmente não suscita dúvidas.
Mas também, e isto é generalizadamente esquecido, as que gerem avaliações mais elevadas que resultem em que, outros, que as tenham mais baixas, sejam excluídos da quota disponível para muito bons e excelentes.
Se, tendo um nível de avaliação, mesmo de muito bom e excelente, alguém ficar excluído da quota e descer para a menção de bom tem, obviamente os seus direitos afetados. Além, de ter direito de reclamar da sua própria avaliação individual (que será alta e, por isso, sempre de difícil escrutínio) tem o direito de acesso e de escrutínio sobre a avaliação dos restantes, cuja avaliação, por terem sido avaliados com valores mais altos, é a causa da sua não inclusão na quota e descida de menção.
A ADD de cada um inclui 2 procedimentos conexos: a avaliação individual (1) e a ponderação das várias avaliações para inclusão ou não na quota (2).A fundamentação do 2 é a agregação dos resultados do 1.
Assim, a correta e sólida fundamentação do 1, em especial dos casos em que os valores altos excluem outros no processo 2 (mesmo com valores altos, mas não suficientemente altos) é essencial e é escrutinável por reclamantes.
Isso foi lembrado aos avaliadores, no documento anexo, e recorda-se, agora, a todos os docentes por ser do seu interesse.
O texto anexo já foi divulgado em redes sociais e blogues, mas objeto de publicação apenas parcial, tendo sido truncadas, manipuladas com sublinhados e ocultadas partes essenciais à sua compreensão e devida contextualização.
Quem ler o texto original e comparar com as citações e comentários que dele foram feitos, percebe instantaneamente que, em alguns locais de divulgação, foi distorcido e manipulado.
O dever de fundamentação sustenta um direito dos que são avaliados e, por isso, é do interesse geral insistir nele.
Em algumas publicações refere-se que nelas não se identifica, nem o autor do texto, nem o agrupamento, porque a fonte o pediu, porque “terá receio de represálias.” Considera-se que essa visão constitui ela própria uma distorção bastante ofensiva.
Teve a virtude, contudo, de sinalizar que era útil remeter o texto integral a todos os professores, dado que a defesa da solidez da fundamentação dos processos de ADD, que resultam em exclusões, é de interesse geral.
O texto não é secreto, nem confidencial e é autoexplicativo na sua indicação de que os avaliadores fundamentem bem a avaliação que produzem num determinado domínio específico.
Por isso, se publica aqui, para que, transparentemente, em vez de ser comentado parcialmente e distorcendo-o, o possam analisar na sua totalidade e dele possam tomar conhecimento pela utilidade patente do que nele se refere.
A informação é remetida a todos os professores/as do agrupamento e deverá ser agendado, a cargo dos respetivos coordenadores, um debate sobre o tema nos órgãos de gestão (Departamentos e Conselho Pedagógico) onde será, como é habitual, neste agrupamento, debatido, em total liberdade e com possibilidade de se manifestar toda a dissidência fundamentada face ao seu teor.
Naturalmente, que o conteúdo e implicações do texto se mantêm vigentes (até porque se trata de uma lembrança do regime legal) e as reafirmo na sua totalidade.

Com os melhores cumprimentos,

O diretor do agrupamento
José Carlos Maciel Pires de Lima



Coitado do stôr Pires de Lima que escolheu para subdiretor o stôr Luís Braga.
A carta que o diretor da escola da Abelheira, a mando, enviou para os professores é uma patetice, um complicómetro que não resolverá nada, antes agravará a burocracia e as injustiças. Deixem os professores em paz para ver se têm tempo para dar aulas aos alunos que estão em isolamento.

 

domingo, 30 de janeiro de 2022

Mais Te Valia Estar Calado, Malabarista.

 

 


sábado, 22 de janeiro de 2022

O Doutor Costa

O que começou em 2015, sob o dr. Costa e os leninistas que o dr. Costa acarinhou, foi a aceleração vertiginosa do “projecto” socialista: preencher o resto da sociedade com o Estado, ocupar o resto do Estado com o PS. Mussolini não faria melhor. Fez, aliás, pior, dado que acabou pendurado numa corda.
Uma singela frase e o respectivo contexto resumem com aprumo o dr. Costa e a governação do dr. Costa. Em primeiro lugar, graças a uma equilibrada mistura de fanatismo ideológico, incompetência e inclinação para o trambique, envolve os contribuintes num negócio ruinoso (a reversão da privatização da TAP e as habilidades que se seguiram constituem um monumento à irracionalidade e à leveza com que se espatifa o dinheiro alheio). Em segundo lugar, na falta de uma explicação airosa ou no mínimo sofrível, o dr. Costa justifica-se com uma calúnia descarada (o sr. Neeleman não só não faliu como é figura particularmente prestigiada na aviação comercial). Em terceiro lugar, apanhado a mentir, o dr. Costa não admite a mentira e reage com típica sofisticação de taberna (e a firme convicção de que o público dele sofre de défice cognitivo suficiente para aplaudir a bojarda).



domingo, 9 de janeiro de 2022

Notícias Extraordinárias: Falta-se No Horário Normal Para Se Fazer Mais Horas Extraordinárias

 

Ontem:

Horas extraordinárias em níveis recorde entre profissionais do SNS

Os profissionais do Serviço Nacional de Saúde fizeram perto de 22 milhões de horas extraordinárias, no ano passado. É um valor recorde, que representa um aumento de 26 por cento em relação a 2020.


Hoje:


Mais de metade das faltas deveram-se a doença e um terço ao “apoio aos filhos”. Mas as horas extraordinárias e o cansaço também explicam o fenómeno.