quinta-feira, 15 de abril de 2021

Não Convence Porque o Mal Está No Sangue

 


quinta-feira, 8 de abril de 2021

Não Inventem Histórias Que Desonrem a Memória do Homem



O Presidente da República salientou o "contributo singular para a democracia portuguesa" que foi a demissão de Jorge Coelho após a tragédia de Entre-os-Rios. "Assumiu em plenitude a responsabilidade política pelo que se tinha passado sem uma dúvida, sem uma hesitação ou subterfúgio".


Mais umas tristes declarações de circunstância do Marcelo. Jorge Coelho ao demitir-se por causa da tragédia de Entre-os-rios não deu contributo nenhum para a democracia portuguesa, nem sequer para o Partido Chuchalista. Depois do "contributo singular" do Jorge Coelho, tivemos o Sócrates e tivemos um Governo socialista pejado de familiares (cônjuges e filhos), só para dar dois exemplos singulares para a democracia portuguesa. 
A verdade é bem mais simples: Jorge Coelho aproveitou a tragédia de Entre-os-Rios para sair do pântano guterrista, foi uma decisão de interesse exclusivamente pessoal e político e não de preocupação com o país ou com a democracia portuguesa.
Foi um grande político e, enquanto tal, prestou relevante serviço ao país, o que já não seria pouco para uma homenagem. O resto são interpretações interesseiras de ações políticas de um defunto para se ficar bem na fotografia dos condolentes.



quinta-feira, 18 de março de 2021

Um Lastimável Editorial



A possibilidade de presidentes travados pela limitação de mandatos se candidatarem a outras câmaras prova que os princípios é que se submetem ao interesse partidário e não é o interesse partidário que se submete aos princípios


O Manel Carvalho não percebe bem o que é a democracia. Acha que a existência de regras eleitorais torna o regime menos democrático. Tontice.
E vê-se que não percebe bem que é o sistema partidário, e não os putativos candidatos, partidários que tornam o regime político português uma lástima.
Fala em caciques, renovação do pessoal partidário, círculos de interesses viciosos, carreirismo e tantos outros chavões que cegam olhos mais puros.
Vai dormir um sono, Manel

segunda-feira, 15 de março de 2021

Fabulosx


  1. Deita o creme de barbear numa das mãos. A mão com que te sintas menos desconfortável pela acto íntimo que é a afagar a tua face.
  2. Olha-te ao espelho e repete para ti própria que és fabulosa.
  3. Esfrega o creme na tua face sem que este toque nas tuas delicadas narinas, nos teus carnudos maternais-africanos lábios e nos teus olhos que ocultam os segredos do mundo em todo o teu potencial de pessoa fabulosa.
  4. Pega na lâmina com a mão que normalmente discriminas em operações como escrita e dá-lhe uma oportunidade de ser tão válida como a outra, talvez até mais.
  5. Passa-a no sabão pressionando suavemente, como se fosse o toque de uma das tuas colegas a gentilmente medir-te a anca.
  6. Quando vires sangue, isso é normal, é sinal de que és fabulosa.
  7. O número do 112 é cento e doze. Pegas no telefone, desligas o Tik Tok, procuras uma aplicação chamada “telefone” e metes os números por esta ordem: um, depois outro um (são dois uns, não confundas com um dois) e depois um dois.

quinta-feira, 11 de março de 2021

Não Inventem!

«A reversão da decisão encerra o assunto? Não sem antes se sublinhar duas conclusões. A primeira é a óbvia desorientação de quem toma estas decisões ziguezagueantes e inconsistentes. Acaba por ser até intrigante imaginar o que leva um Conselho de Ministros, após um ano de pandemia, achar acertado contradizer-se face ao que dissera antes e excluir uma parte dos alunos e dos professores dos apoios para cumprir as regras de desconfinamento — com óbvio prejuízo para a saúde pública.
A segunda conclusão é que, no debate político, não somente não nos livramos dos velhos preconceitos contra o ensino privado como temos um Estado que os promove. Seja na oferta dos manuais escolares somente para os alunos do ensino público. Seja na aquisição de equipamentos (computadores e ligação à internet) no âmbito do programa Escola Digital, que não prevê distribuição de kits para os alunos do ensino privado (e que inicialmente até excluiu os dos contratos de associação, situação posteriormente rectificada). Seja no tom crítico com que o Governo se referiu em Janeiro ao ensino privado — proibindo-o de dar apoio aos alunos e depois dando o dito por não dito. Seja agora no acesso aos apoios para a testagem de professores e alunos. Em vez de uma visão integrada do sistema educativo, as decisões e o discurso do Estado geram afastamento e colocam o ensino privado numa ilha à parte do sistema educativo».

OBSERVADOR


"Não foram Enterrados, Mas Andam Mortos, Desertaram...

Ao longo da carta, os atletas revelaram-se desiludidos com as atuações do ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, e do secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Paulo Rebelo, referindo terem constatado que aquelas personalidades "não representam o desporto no seio do Governo da República".


O senhor Pinto da Costa, que Deus tenha por muitos anos, é que sabe.


sexta-feira, 5 de março de 2021

Este Cretino Não Se Mede



A ponte fatídica que atravessei durante quatro anos consecutivos, professor a iniciar a carreira (século passado), e não raras vezes via as águas do rio por entre as fendas do piso


Mais um pouco, tinha estado lá e tinha-se lançado ao rio para salvar um par de vidas. Quiçá a vida de algum dos seus ex-alunos que nunca o esqueceram pois, segundo o poeta

a "Educação é feita de memórias relevantes, perpetuadas, principalmente na sua faceta positiva, no aconchego do coração ".

Deus tem para dar a todos. A este deu a cretinice.