quinta-feira, 31 de março de 2016

Estranho! Será Que Não Havendo Exames Se Apura a Raça Dos Derrotados?



"A diferença de política e de estratégia está aqui. Para nós [P.S], a prioridade é promover o sucesso do percurso educativo das crianças. A sua estratégia [P.S.D.] é só uma, é a crença de que, quanto mais exames, mais chumbos existem, e que, quanto mais chumbos, melhor se apura a raça dos eleitos"

Alô Propagandistas, a Mentira Tem Perna Curta


Manuais gratuitos:
O Governo inscreveu no Orçamento do Estado para 2016 a gratuitidade dos manuais escolares para todos os alunos do 1.º ano do 1.º ciclo já a partir do próximo ano letivo, prevendo o alargamento da medida a outros anos do ensino básico até ao final da legislatura.

Bem, totalmente gratuitos não:

Nós somos uns negociadores notáveis:


Depois de toda esta propaganda bacoca, já sabemos que vamos pagar 3.000.000 de euros pelos manuais "gratuitos" do 1º ciclo. E sabemos que vamos pagar a mais um "grupo de trabalho":
"Foi uma negociação aturada, complexa, e a contrapartida foi termos esta capacidade de negociação. Não houve uma contrapartida real para a APEL. Irá existir um grupo de trabalho para entender a implementação da gratuitidade progressiva nos manuais escolares e a APEL fará parte desse grupo, assim como o Ministério [da Educação], o Ministério da Economia e outros parceiros", disse ainda o ministro, quando questionado sobre eventuais compensações para as editoras, frisando que, "acima de tudo, não serão as famílias a encaixar o aumento que tínhamos vindo a observar nos manuais escolares".

Será que o exímio negociador pensa que engolimos a peta de que as editoras ficarão com os prejuízos resultantes do congelamento de preços?


quarta-feira, 30 de março de 2016

Não Tarda Nada e o Anemoscópio De Belém Rodará De Norte Para Sul


Mesmo assim Marcelo transmitiu duas mensagens erradas. E tão perigosas como condenáveis. 

A primeira foi a insistência na ideia, falsa, de que existe uma espécie de contradição entre a necessidade de rigor nas contas públicas e políticas de crescimento e emprego. É uma ideia errada, uma ideia que durante muitos anos nem sequer o Partido Socialista subscrevia, pelo menos no discurso. É exactamente o contrário: temos problemas de crescimento e problemas de desemprego porque temos um Estado e uma economia excessivamente endividadas, e temo-las porque durante muitas décadas não houve rigor nem contenção na gestão das contas públicas e nas mensagens enviadas aos agentes económicos privados, assim como às famílias.
A segunda mensagem errada foi a de que o sucesso de uma política orçamental que aposta no aumento do consumo não depende do rigor na execução orçamental: depende de um milagre, já que foram muitos anos de muito consumo que nos levaram quase à bancarrota sem nunca proporcionarem crescimento económico que se visse. As empresas portuguesas não necessitam de políticas de estímulo ao consumo das famílias – necessitam de reformas que contribuam para aumentar a sua competitividade, reformas que ou foram interrompidas ou foram revertidas com este Orçamento. Não é preciso esperar pelo “Plano Nacional de Reformas” para saber que se começou a fazer marcha atrás com o OE agora promulgado: Portugal volta a divergir da Europa por opção própria, por cedência à agenda dos partidos que apoiam o Governo".

Ministério Da Educação Obrigado a Divulgar Dados Algo Comprometedores




- Direito à liberdade e segurança individual

O Crato ainda mexe.

terça-feira, 29 de março de 2016

Isso Querias Tu. Dava-te Um Anito De Folga e Tempo Para Passeares Sorrisos e Leveza Institucional


 "Só em 2017 começaremos a ver se o modelou provou ou não provou".


Queiras, mas não vais ter. Modelo? Que modelo? O modelo do gasta sem teres dinheiro pois assim a economia cresce?
O orçamento que promulgaste vai feder muito antes de 2017. Inevitavelmente. 
Vais ter de te confrontar com os portugueses quando  as coisas começarem a ficar azedas. Treina bem o Asa.
Acho que o teu interesse em segurar o Costa é mais pessoal do que nacional, na minha modesta opinião claro.


segunda-feira, 28 de março de 2016

Pior Que Um, São Dois.


Olhe-se para este último caso com atenção. O processo que levou ao fim dos exames no ensino básico, substituídos por provas de aferição, foi um desastre desde o início. Acabou-se com exames sem introduzir uma alternativa, criou-se depois uma alternativa que desagradou aos agentes do sector, prometeu-se manter o exame do 6.º ano e afinal eliminou-se o dito exame, assegurou-se a implementação atempada do novo modelo de avaliação e, finalmente, anunciou-se um período de transição em que cada escola fará o que lhe apetecer – umas executarão as provas de aferição, algumas optarão por manter os exames e outras tentarão fugir a ambos. Enfim, uma trapalhada do princípio ao fim. Só que esse fim, o tal regime de transição, saiu da cabeça do Presidente Marcelo que, em comunicado, o justificou com base na previsibilidade social. Se com ou sem razão, não é o ponto. O ponto é que, para promulgar o decreto-lei, Marcelo forçou uma alteração ao seu conteúdo. E Costa assentiu, desautorizando o ministro da Educação.

Num excelente artigo de opinião, AHC explica a causa das coisas: em Belém temos um Presidente forte e em S. Bento temos um Primeiro-Ministro fraco, sem legitimidade eleitoral, cujo único objetivo é manter-se no cargo para continuar a ser secretário-geral do PS.
A Marcelo convém manter a geringonça a funcionar, afinal com um PM fraco, sempre poderá brilhar nas TVs e nas sessões de chã que tem oferecido pelo país. 
Parece o Obama, já tem cão e tudo
Costa vai dançar conforme a música de Marcelo.
Nada a opor, dirão os portugueses satisfeitos por terem um Presidente tão aberto e jovial que até parece o Obama.
Contudo, convém nunca esquecer que Marcelo não foi eleito Primeiro-Ministro. 
E ao país já basta ter de suportar um incompetente no lugar de Primeiro-Ministro.


Mais Logo à Noitinha, Patati, Patatá, Rebeubéu Pardais ao Ninho, Sarabico, Bico, Bico, Quem Te Pôs Tamanho Bico..............Promulgo



Era uma vez
Um gato maltês
Tocava piano
E falava francês
Queres que te conte outra vez?

Era uma vez
Um gato maltês
Saltou-te às barbas
Não sei que te fez
Queres que te conte outra vez?

Era uma vez...

domingo, 27 de março de 2016

Assassina Da Inteligência e Do Livre Julgamento Das Pessoas Comuns




Nos tempos recentes, tem-se falado do facto de o Ministério da Educação ter colocado como primeira prioridade de atuação a Promoção do Sucesso Escolar, que tem como ponto fundamental de sucesso a avaliação
Aquela deputada do P.S. que colocou ferrete numerado no antebraço, fazendo lembrar as vítimas dos campos de concentração nazi e que, nas horas vagas, publica fotos em fato-de-banho na praia, brindou o povo que representa com um artigo de opinião no EXPRESSO. 
Leiam e vejam como a demagogia e a asneira campeiam de fio a pavio.

Para além de massacrar os portugueses com intervenções esganiçadas sobre temas fraturantes, a deputada tem também opinião formada sobre avaliação dos alunos.

Fazendo uma síntese das suas ideias, Crato massacrou milhares e o Tiago acarinha outros tantos.
Portantos, senhora deputada cuja demagogia tenta assassinar o pensamento livre, se o sucesso da promoção do sucesso tem como ponto fundamental a avaliação, como diz, acabando com esta chega-se àquele, certo? 
É esta boa nova que nos anuncia esta socialista desde o berço. O programa de Promoção do Sucesso Socialista passa todo por aqui: não havendo avaliação, não haverá retenção.

Marcos, XVI


1  E, passado o sábado, Maria Madalena, e Maria, mãe de Tiago, e Salomé, compraram aromas para irem ungi-lo.
2  E, no primeiro dia da semana, foram ao sepulcro, de manhã cedo, ao nascer do sol.
3  E diziam umas às outras: Quem nos revolverá a pedra da porta do sepulcro?
4  E, olhando, viram que já a pedra estava revolvida; e era ela muito grande.
5  E, entrando no sepulcro, viram um jovem assentado à direita, vestido de uma roupa comprida, branca; e ficaram espantadas.
6  Ele, porém, disse-lhes: Não vos assusteis; buscais a Jesus Nazareno, que foi crucificado; já ressuscitou, não está aqui; eis aqui o lugar onde o puseram.
7  Mas ide, dizei a seus discípulos, e a Pedro, que ele vai adiante de vós para a Galileia; ali o vereis, como ele vos disse.
8  E, saindo elas apressadamente, fugiram do sepulcro, porque estavam possuídas de temor e assombro; e nada diziam a ninguém porque temiam.
9  E Jesus, tendo ressuscitado na manhã do primeiro dia da semana, apareceu primeiramente a Maria Madalena, da qual tinha expulsado sete demónios.
10  E, partindo ela, anunciou-o àqueles que tinham estado com ele, os quais estavam tristes, e chorando.
11  E, ouvindo eles que vivia, e que tinha sido visto por ela, não o creram.
12  E depois manifestou-se de outra forma a dois deles, que iam de caminho para o campo.
13  E, indo estes, anunciaram-no aos outros, mas nem ainda estes creram.
14  Finalmente apareceu aos onze, estando eles assentados à mesa, e lançou-lhes em rosto a sua incredulidade e dureza de coração, por não haverem crido nos que o tinham visto já ressuscitado.
15  E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura.
16  Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado.
17  E estes sinais seguirão aos que crerem: Em meu nome expulsarão os demónios; falarão novas línguas;
18  Pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e porão as mãos sobre os enfermos, e os curarão.
19  Ora, o Senhor, depois de lhes ter falado, foi recebido no céu, e assentou-se à direita de Deus.
20  E eles, tendo partido, pregaram por todas as partes, cooperando com eles o Senhor, e confirmando a palavra com os sinais que se seguiram. Amém.



sábado, 26 de março de 2016

Histórias De Encantar Contadas Às Criancinhas



O Orçamento Participativo na Escola cria um mecanismo que permite aos estudantes envolverem-se ativamente na melhoria das vivências ou dos processos de aprendizagem que se desenvolvem localmente.
PPromove-se assim o espírito de participação e de cidadania dos estudantes, valorizando a sua opinião em decisões que os afetam diretamente. Ao mesmo tempo estimulam-se as suas escolhas responsáveis, a sua familiaridade com os mecanismos do voto e a sua participação na concretização da execução das escolhas efetuadas.

Como esta ideia tem paternidade chuchalista, uma de duas coisas acontecerá de certeza: ou é peta ou os estudantes vão decidir de entre as possibilidades previamente decididas por outros, talvez pelos diretores ou pela DGE ou por outra coisa qualquer. 
Certo, certo é que os alunos não vão escolher nada ou votarão em escolhas feitas previamente por outros. Aposto singelo contra dobrado.
Quanto à promoção do espírito de participação e de cidadania e à estimulação da familiaridade com os mecanismos de voto (dialeto chuchalista), vou ali e já venho. 
Então os alunos não votam para escolha dos chefes de turma? E para a eleição da associação de estudantes? Só ainda não devem votar, penso eu, para escolha dos professores. 
Se os deixassem escolher os professores e nos deixassem a nós portugueses escolhermos os compatriotas que quiséssemos para nos representarem no Parlamento, isso sim seria estimular qualquer coisa ...
Assim, os jovens alunos perceberão o engodo apenas quando virem as escolhas que podem fazer ou quando crescerem mais um pouco.
Nessa altura procurarão outros estímulos.
Intrujões

sexta-feira, 25 de março de 2016

Socialismo Com Queda Para o Disparate


"Este programa visa, portanto, reforçar o papel da escola, dos seus profissionais e da comunidade, das entidades formadoras, dos formadores e de outros agentes de intervenção comunitária na promoção do sucesso escolar e na valorização da aprendizagem, num esforço continuado de resposta a um dos mais sérios entraves ao progresso na qualificação dos portugueses e na redução das desigualdades"

A geringonça socialista, conduzida por dois extremistas da esquerda mais bolorenta da Europa, vai refletir, auscultar e propor um Programa Nacional de Sucesso Escolar. Compreende-se a alegria e os largos sorrisos nos rostos dos responsáveis por um vasto conjunto de instituiçõ€s €ducativas, como a destes empresários com queda para o altruísmo, a destes engenheiros da tecnologia educativa TurMamais e a destes "acompanhantes de proximidade": afinal, não é todos os dias que se anuncia chuva€€€€ no nabal. 

Mas, verdadeiramente curioso e radicalmente educativo é o facto de o tal programa nacional de sucesso escolar visar a escola, os profissionais, a comunidade, as entidades formadoras, e outros agentes mas não aqueles que deveria visar se se preocupasse verdadeiramente com o sucesso escolar: os alunos
Trata-se de uma cena para melhorar o sucesso dos alunos sem os chamar ao palco. 
Um projeto radicalmente socialista, como se adivinha.


Fumei Umas Ganzas, Gamei Dois Telemóveis e As Converse All Star Do Toni e Durante Dois Anos Dei Graxa Ao Stôr Moninhas



Portantos, Teimoso, vou exigir que estas atividades fiquem gravadas no meu suplemento. Se não conseguir que fiquem estas, sempre há de constar o 1º prémio que ganhei no campeonato das caricas que fizemos na sexta-feira antes do carnaval, no corredor que liga o polivalente ao bloco C. 
Ou o suplemento é só para os betinhos e as coninhas da associação de estudantes?


quinta-feira, 24 de março de 2016

Portanto, Apesar De Patati, Patatá, Promulgo



Tira exame, põe exame...
Põe prova, tira prova...
Obrigatórias, mas não este ano.
Entram em vigor, mas as escolas aplicam se quiserem.

E o Presidente de tooooodos os portugueses não vê consenso na trapalhada, mas garante que há previsibilidade social.... 
Pois.


Onde Está o Pedófilo?



Antigo apresentador, condenado por abusos sexuais de menores, encheu a sala de um hotel para apresentar livro



"Porventura envergonham-se de cometer abominação? Pelo contrário, de maneira nenhuma se envergonham, nem tampouco sabem que coisa é envergonhar-se; portanto cairão entre os que caem; no tempo em que eu os visitar, tropeçarão, diz o Senhor."  (Jeremias 6:15)"

Desavergonhados!

quarta-feira, 23 de março de 2016

Crónica De Uma Morte Anunciada


A Barata Tonta
"O ministro parece uma barata tonta. Andamos aos avanços e recuos, aos ziguezagues. Considero que, sobretudo, numa matéria tão sensível como a educação um ministro, seja ele qual for, enquanto não tiver as ideias muito claras deve ficar quieto", Marques Mendes

 A Palhaçada
É patética a invocação da autonomia da Escola para justificar esta palhaçada já que, no mesmo momento, o ministro lhe anuncia o fim para daqui a uns meses. Isto é, glória suprema, a autonomia das escolas, agora, decide. Mas no próximo ano lectivo já decidiu ele, pensem as escolas o que pensarem. Melhor tributo à hipocrisia não podia ser prestado, para não falar da permanente incerteza introduzida no espírito das crianças e das suas famílias e no planeamento do trabalho das escolas e dos seus professores. Santana Castilho



If You’re Going Through Hell, Keep Going


“Perante a ameaça, vamos continuar a responder em conjunto com firmeza, calma e dignidade. Vamos manter a confiança em nós mesmos. Essa confiança é a nossa força”.


segunda-feira, 21 de março de 2016

604.000 Desempregados em Portugal


A taxa de desemprego caiu de 12,2% para 11,8% em dezembro, saindo desta lista cerca de 22,8 mil pessoas que estavam consideradas como estando em situação de desemprego, mas isto não se traduziu num aumento do emprego. De acordo com o INE, o número de pessoas empregadas aumentou apenas em cerca de 900.

O Arlindo diz que há 9.000 professores sem vaga de quadro, mas não desempregados, note-se bem. Se estivessem desempregados seria bem pior para eles e para o país.
Como o Estado não pode colocar nos seus quadros todos os portugueses desempregados, como gostaria o PCP, talvez não seja assim tão paradoxal, nem sequer motivo de notícia, que não possa colocar no quadro 9.000 professores.
Digo eu.

Portanto, Promulgas Mas Não Devias Promulgar, Certo?


Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgou esta sexta-feira o decreto que restabelece quatro feriados que tinham sido suspensos, mas deixa o alerta pelo facto de a nova lei poder, eventualmente, “ter implicações económicas e financeiras não quantificadas”.


domingo, 20 de março de 2016

Grande Ideia


O Ministério da Educação confirmou que os alunos do 1.º ano de escolaridade receberão gratuitamente manuais escolares a partir do próximo ano letivo de 2016/17, na sequência de uma proposta de alteração ao Orçamento do Estado do PCP, aceite pelo Governo.

Admira-me que o PCP e o BE tenham deixado ficar na gaveta a gratuitidade da saúde e a universalidade do abono de família. 
Muitos portugueses têm de pagar os serviços de saúde e nem todos recebem abono de família pelos filhos.
Portantos... 


Que Pensas Disto João Soares?


Há escolas públicas a realizar cerimónias religiosas durante o horário lectivo, indica hoje o “Jornal de Notícias”. Os alunos não são obrigados a participar nas cerimónias religiosas mas, nesse caso, ficam numa sala “a passar tempo”. 
A Associação República e Laicidade aponta para a exclusão de alunos que não têm religião. Esta associação já fez, em 2006, uma exposição ao Ministério da Educação, que levou a então ministra Maria de Lurdes Rodrigues  a pressionar as escolas a retirarem os crucifixos expostos.

Um Governo de esquerda  não pode tolerar missas nas salas de aulas, sob pena de promover Portugal como país de terceiro mundo.


sábado, 19 de março de 2016

RTP a Dar Publicidade à Pedofilia




Que país é este em que temos de manter uma estação de televisão que faz entrevistas a  um pedófilo na cadeia? Não haverá nada mais que este asco para mostrar ao país?
Um pedófilo que esteve em ação enquanto lhe pagávamos o ordenado como funcionário da RTP.
Não haverá ninguém com vergonha disto?
Ninguém que se demita ou seja demitido?
E qual é o teu papel nesta promoção da pedofilia Vítor Gonçalves? 
Deixa-me perguntar-te uma coisa que anda há dias a bulir na minha cabeça: não tiveste nojo de estar tão próximo, a menos de um metro, do mais famoso pedófilo português?
Se fosses um jornalista a sério, havias de ter perguntado ao facínora porque era ele tão cruel e desumano com as crianças. Não perguntaste, pois não?


sexta-feira, 18 de março de 2016

Mais Um Especialista Em Pedagogia Aplicada Aos Outros


"...uma prova requer preocupações com a logística das escolas mas que em termos pedagógicos até deve ser feita sem grandes avisos prévios..."

A ideia peregrina das provas sem aviso prévio,  típicas dos tempos da outra senhora, são receita que nenhum professor tomaria se estivesse em causa a sua própria avaliação.
Como são os alunos a ser avaliados...
Não há pachorra, realmente. 


Quanto Menos Tempo Estiveres Numa Sala De Aula Melhor Para o País


Desde a apresentação do novo modelo de avaliação externa, que introduziu provas de aferição no 2º, 5º e 8º anos do Ensino Básico, mantendo os exames no 9º ano, mas acabando com os exames no 4º e 6º anos, que considero que foi dado um passo importantíssimo para termos um sistema de avaliação que privilegie a aquisição de competências e a consolidação de conhecimentos em vez de apostar numa avaliação punitiva e promotora de desmotivação.

Púbere Político Avança e Recua a Toque De Caixa



 "as escolas que, durante o corrente ano lectivo, pretendam a aferição e obtenção de dados de fim de ciclo, poderão decidir pela realização, com carácter de diagnóstico, das provas de Português e Matemática, nos 4.º e 6.º anos. Para estes casos, a tutela disponibiliza uma matriz de auxílio à sua realização".  

Pobre Tiago. Quantas mais genuflexões veremos...
Vê lá tu o que alguns rapazes precisam de fazer para arranjar emprego na política: tira prova, põe prova. Após uma reprimenda do Marcelo, de nociva, a prova passa a ser saudável.
Cresce e aparece.



quarta-feira, 16 de março de 2016

E Admiram-se?


Ministério não sabe quantos professores estão de baixa

Em boa verdade, o Ministério da Educação - e os outros - não sabem a quantos portugueses pagam o ordenado. Se o Estado não sabe a quantos funcionários públicos paga o ordenado no fim do mês, alguns a meio do mês, como poderia saber quantos estão a a faltar?
Bah.


terça-feira, 15 de março de 2016

Mais Uma Solução Milagrosa Incapaz De Esconder Que a Educação Cabe Em Qualquer Parte


Num grupo de 4200 alunos houve mais de 9 mil expulsões no ano passado. PS, BE e PCP de acordo: solução é ter menos crianças por aula
Solução burocrática
Solução que desculpabiliza os alunos, famílias e escolas.
Solução que dará aos representantes das esquerdas uns momentos de descanso.
Os responsáveis políticos deviam dizer a estes moços do esquerdalho que a má educação não se resolve com medidas administrativas. Resolve-se com uns pares de tabefes em casa. Dos pais nos filhos e não o contrário,  percebem modernaços.

Depois Da Geringonça Tomar o Poder


Até mete dó.