terça-feira, 29 de setembro de 2015

Há Gente a Mais No M.E.C. São Tantos Que Até Se Estorvam

Os que contratam dizem que as colocações retroagem a 1 de setembro




Os que pagam o ordenado dizem que não, que é à data de aceitação da colocação



Entendam-se....


segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Anjos No Céu e Coligações à Esquerda Na Terra


Com gente no governo ou apoio parlamentar, acho que deve existir pela primeira vez em Portugal, como aconteceu agora com estes neo-liberais estatistas de 3ª ordem (só é aparentemente um paradoxo, como o comunismo capitalista chinês), um governo em que se aliem os partidos de centro-esquerda de forma que se respeite o programa do maior partido, mas sem que os mais pequenos tenham de ceder em tudo.

"Acho que deve existir pela primeira vez em Portugal ... um governo em que se aliem os partidos de centro-esquerda..." Como? Que bebeste ao almoço?

Mesmo com algumas ressalvas, uma coligação sem o josébandidolello, o sousafraturapinto o silvaboquinhacuderolapereira, o ferroso, o vieirapisca-piscadasilva, o paulocorruptocampos, o tozébananaseguro, o paulogostademeninospedroso, o jorgemãoestendidalacão, o joãoparaquedistasoares, o albertopusilânimemartins, a idálialapaserrão, o josévideirinhojunqueiro, obitalinocínicocanas, a antóniafilhadoalmeidasantos....e tantos outros é impensável. 
É mais fácil o pai natal com tudo, trenó e rena, tocar à campainha dos portugueses do que um coligação à esquerda.



domingo, 27 de setembro de 2015

Qualquer Secretário De Estado De Qualquer Ministério Serve Para Substituir o MEC




"O secretário de Estado da Administração Local ligou ao líder da bancada do PSD, e a mim, garantindo que, até dia 10 de Outubro, o impasse directivo no agrupamento de escolas fica resolvido. A solução passa por nomear para Comissão Administrativa Provisória (CAP) o vencedor dos três actos eleitorais realizados desde 2012, para terminar aquele impasse", explicou.


Nos países de políticos decentes, se um Secretário de Estado da Administração Local viesse dar garantias políticas sobre assunto da responsabilidade do Ministro da Educação e Ciência, de duas uma: no minuto seguinte, ou não havia secretário de estado ou não havia ministro.
No caso português, Crato está a fazer de porteiro no MEC há loooongos meses. 
Os assuntos importantes não passam por ele. Nem pelo Secretário de Estado da pasta - o João Casanova - que está ocupado com a distribuição de tachos e com a campanha da PaF.
Durante três anos não foi capaz de resolver o problema que Leitão Amaro resolveu em três dias. Se o ridículo matasse...
Está de parabéns Leitão Amaro que merece mais de que uma secretaria de estado.

terça-feira, 22 de setembro de 2015

A Nova Diretora-Geral Trabalha Menos Horas Que Tu, Mário. Muito Menos. Porém, Goza Férias Com a Família e Faz Mais. Muito Mais





Quando o ministro disse isso no parlamento senti-me atingido como director - geral e deixei de ter condições para continuar a liderar uma equipa que durante seis anos deu o melhor e fez um esforço sobre-humano, para que os concursos de colocação acontecessem. Sem gozarem férias com as suas famílias, muitos a trabalhar mais de dez, quinze e quase 24 horas por dia.

O azar deste ex-diretor-geral é a crua realidade.
Na verdade, a realidade dos factos mostra que era possível fazer um concurso de professores sem a trapalhada do ano passado.
Do esforço "sobre-humano" de Mário Pereira, saiu esguicho de que, ainda hoje, se nota indisfarçável solisco.

O atraso no arranque do ano lectivo resulta de "uma visão do Governo que valoriza mais o sector privado", denuncia Mário Pereira. Um ano depois de se ter demitido do cargo de Director - Geral da Administração Escolar (DGAE) explica, pela primeira vez, o que o levou a sair do cargo , numa entrevista ao Capital Humano do ETV que é emitida hoje às 20h00

Mas, como um azae nunca vem só...
Não foi este ano que houve atraso, senhor ex-diretor. Não há jornal ou TV que relate qualquer atraso na abertura das escolas ou na colocação de professores.
Se pensarmos bem, houve atrasos na colocação de professores nos anos em que este ex esteve a diretor-geral.
A dor de co tovelo não pode justificar tudo, Dr. Mário Pereira.



A Justiça Portuguesa: o Valor De Uma Vida



Álvaro Luiz Veiga viu agora o Supremo Tribunal de Justiça reduzir-lhe a pena de 12 para nove anos de cadeia. Os juízes conselheiros consideram que Álvaro estava enervado e que se tratou de uma situação única na sua vida



segunda-feira, 14 de setembro de 2015

O Cúmulo Da Asneira

 
 
Sob o título "Pais, professores e médicos querem horários escolares a começar mais tarde", a jornalista estagiária Joana Capucho conseguiu ocupar um quinto de página do DN com baboseiras. Atrelou um pediatra de renome a assiná-las por baixo e não precisou de nenhum esforço para que dois cromos abrissem a boca.
Para o Aldomiro, as aulas deveriam começar às 9 e meia, para o Aladino às 10,00...
Porque os miúdos estão no computador até tarde e, portanto, o "relógio biológico" avaria... e, consequentemente, as crianças não conseguem acordar antes das 10 da manhã.
Para todos eles, deveria olhar-se para as "matrizes", reduzir as matérias e a carga curricular para que que as escolas abrissem às 10,00. Não, ainda não defenderam a redução das disciplinas ao português e à matemática para que as aulas coubessem no horário.
Claro que, o título da peça é também ele curioso: nenhum pai deu a opinião sobre estas baboseiras...
A minha sentença é que as crianças devem ir para a escolas às 18,25. Assim, os pais quando saírem dos empregos para as irem buscar não precisam de esperar muito tempo à porta da escola.
Arre!

domingo, 13 de setembro de 2015

terça-feira, 8 de setembro de 2015

Duas Fraudes


Os membros do júri não foram selecionados pelas instituições de ensino superior, mas sim pela entidade promotora do concurso que, tirando proveito das ligações destes dirigentes com o meio académico, assim acaba por reunir um júri plenamente constituído por titulares de cargos dirigentes de órgãos ou serviços do ministério

Dois boys dos aparelhos do CDS e do PPD que asseguram bem os seus interesses e os dos amigos. Videirinhos.
Desde a constituição de um júri de amigos, "independente", até à alteração das regras para avaliar a entrevista enquanto decorria o "concurso", tudo vale num país sem "rei nem roque". Num país de inimputáveis.
Os agentes do Estado cometem fraude à vista de todos e não são demitidos, antes pelo contrário, mantêm os tachos e preparam o futuro.

Que será preciso, Nuno, para teres um arroubo de vergonha?
Achas que não são da tua responsabilidade os boys que te impuseram os partidos? Não és ninguém sem eles? São eles que te sopram aos ouvidos o que deves dizer ou fazer?
Se tivesses um pingo de vergonha, demitias-te. Tu, não eles.


sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Mais Um Costa a Dar Um Contributo Ou, Antes, Um Merdibuto Para a Educação Dos Tugas




Um professor da FCSH da UNL, Costa de sua graça, escreveu um artigo no PÚBLICO


Na falta de ideias para rebater os argumentos aduzidos por Luís Marinho neste artigo, o nosso professor Costa bolsou umas teses espatafúrdias a ver se as engolimos sem pestanejar.

Engana-se este amigo Costa.

E, para não perder muito tempo com as baboseiras e redondilhas, digo-lhe apenas isto:

a) É profundamente demagógico, enganador e desrespeitador vir defender a escola pública e matricular os filhos em escolas privadas.
b) Os decisores políticos e técnicos, os arquitetos, os desenhadores e os empreiteiros das obras faraónicas (um pouco mais que isso) feitas em algumas dezenas de escolas do país pela Parque Escolar deviam ser perseguidos, autuados e nalguns casos, ser-lhes dada ordem de prisão, por muitas razões, mas sobretudo por ladroagem e desrespeito de preceitos constitucionais que o Costa não alcançaria se para aqui os trouxesse.
c) Aqueles que escolhem as escolas ou quaisquer outros serviços públicos nunca estarão em igualdade de condições. Uns terão sempre mais e melhores condições para escolherem que outros. Aposto que o Costa sabe bem que restaurante e que carro pode escolher. E tem os meios necessários para escolher o médico e o hospital que quiser. E recorrer ao advogado que entender... o Costa pode escolher muitas coisas mas não pode escolher de mesma forma que o Traça porque não tem massa para tal.

Se não entendeu, Costa, não merece que lhe explique de novo. 
E, se bem conheço o Rendas, ainda há de querer dar-lhe uma palavrinha. Ou até já deu ;-)




Aylan

Desculpa Aylan 
Aylan, mesmo tendo tu nascido do lado errado do mundo, e teres morrido antes sequer de o perceber, quero agradecer-te. Não porque agora vamos encontrar já a solução que procuramos, e que deve envolver os dois lados do Mediterrâneo – mas apenas porque depois de todas as primeiras páginas, de todas as partilhas nas redes sociais, o egoísmo e o medo que alimentam os populismos europeus estão desde agora confrontados com a iniludível realidade. Ninguém pode agora dizer que desconhece.
Este menino dorme num colo de areia
Aquelas mãos eram como as mãos do meu filho quando tinha apenas 3 anos. Aqueles pés, eram como os pés do meu filho com aquela idade. E eu, sempre que podia, mordiscava-os e beijava-os naquela terna ânsia que cada mãe tem de trincar cada filho com um amor incomensurável para o obrigar a crescer devagarinho.



terça-feira, 1 de setembro de 2015

Três Parágrafos Bastam Para Arrasar o Comunismo e o Sonho Dos Amanhãs Que Cantam

"O meu ponto é simples. Não é bom haver muros. Mas há uma grande diferença entre erguer muros para impedir a entrada e erguer muros para proibir a saída"

"Mas, se a Europa e o Ocidente capitalistas fossem tão pérfidos e opressores, por que motivo é que os refugiados procurariam a Europa e o Ocidente? Por que razão não buscam a Rússia do sr. Putin, ou a Venezuela, ou a Argentina, ou, já agora, Cuba e o Irão? Ou talvez a China, onde o poder do dinheiro privado tem sido sabiamente controlado pelo “altruísmo” central do estado e do partido comunista? Ou, salvo as devidas proporções, a Grécia do Syriza (ou do que resta dele)?

 A antiga Alemanha de Leste — então chamada República Democrática Alemã — também construiu um muro, o chamado Muro de Berlim. Mas o objectivo não era impedir que as pessoas entrassem na Alemanha de Leste. Na verdade, ninguém queria entrar. O objectivo era impedir que as pessoas pudessem sair.

Também Cuba, a “grande vítima do imperialismo americano”, teve um sério problema de migrações. Só que, tal como na Alemanha de Leste, os migrantes não queriam entrar. Eles simplesmente queriam fugir de uma ditadura comunista que condenara as pessoas à pobreza e à opressão. E fugiram: de barco, de jangada, ou a nado. Tal como fugiram os boat-people do Vietname comunista." João Carlos Espada. PÚBLICO, 31-08-2015