segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Dos 8 Aos 80



Prepara-se (mais) uma pirueta. E, como é costume nestes casos, vai passar-se do 8 aos 80.
Até agora, o Diretor de uma escola não pode pertencer a uma assembleia de freguesia, nem ser presidente de um clube de futebol.
A legislação, dizem os entendidos, até permite que o diretor de um agrupamento possa ser presidente da AMI e correr mundo como o Dr. Fernando Nobre. E pode ser presidente destas ONGs todas.
O diretor de uma agrupamento de escolas pode ser Secretário-geral da FENPROF, ou da FNE. Não acreditam mas é verdade, o Dr. Mário Nogueira pode ser ao mesmo tempo diretor do maior agrupamento de escolas do país e continuar a dirigir a FENPROF.
Mas, se for diretor, não pode ser membro da Assembleia de freguesia de Rabo-de Peixe. Nem da Assembleia Municipal de Lisboa, Nem presidente de uma comissão política, nem vogal não executivo num conselho de administração, nem secretário do Conselho Paroquial...
Porquê?
Porque não tem tempo, diz este professor/sindicalista/bloguista.
Que vai fazer o Governo que, neste caso, está mancomunado com a oposição?
Simples: vai baixar as calças até aos tornozelos e permitir tudo: só os presidentes de câmara é que não vão poder ser diretores de agrupamento em simultâneo. Desde deputados da república, até vereadores e presidentes de junta, todos vão poder exercer, simultaneamente, com as funções de diretor de agrupamento. Porque não, do agrupamento do mesmo concelho onde são vereadores?
Cata-ventos.


Reitor

domingo, 19 de janeiro de 2014

Duas Frases Fortes Expelidas Num Único Esguicho

"O que defendo pode chocar muitas famílias mas estou convencido de que as escolas têm de ter uma palavra decisiva sobre o percurso escolar dos seus alunos, sem estarem dependentes da vontade dos encarregados de educação, ainda muito presos ao estigma negativo que sentem sobre o ensino vocacional e profissional."


Portanto, senhor professor, 
  1. A educação dos alunos é da responsabilidade  das escolas (porque eles são sua propriedade, são "seus", como diz) e não dos pais.
  2. Não são as escolas que servem as famílias mas sim as famílias que servem as escolas, pelo que estas não podem ficar à mercê daquelas, antes pelo contrário.
Estas afirmações de vocelência fazem-me lembrar as daqueles rapazolas do CDS que queriam reduzir o número de anos da escolaridade obrigatória. Umas e outras têm tanto de irresponsabilidade como de disparate.



Reitor

sábado, 11 de janeiro de 2014

Empresas? Públicas? Como?


CP,
Carris,
STCP,
Edia,
Empordef e
Simab


Francamente, não percebo porque é que o povo português aceita pagar passivos de empresas que cronicamente dão prejuízos. Ano após ano, somos chamados a pagar empréstimos feitos por empresas públicas?
 
Porque não as vendem?
Porque não abrem falência?
 

Reitor

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Pinto Da Costa Até Se Levantou Da Cama


 
Estava eu a ver o programa da tvi24 - Prolongamento, e eis que surge o manuelsarrão a debitar umas postas de pescada. Diz o rapazote que houve exagero na cobertura da morte do Eusébio. E que no cemitério houve alguns estragos. E que todos perceberíamos o exagero das comemorações ao Eusébio quando morresse outra pessoa importante. De imediato, a mais de 300 quilómetros de distância, o Pinto da Costa levantou-se da ... cama e cogitou para a brasileira que estava perto. Olha o gordo a falar de mim.


Reitor

segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

A Ler Com Atenção, Especialmente Pelos Defensores do Estado Central. Os Do Costume - II

"Quando todo o mundo, governo incluído (apesar da troika), vocifera contra (ou se limita a negar prosseguir) uma "estratégia de baixos salários", com isso pretendendo abrir caminho para aumentar o salário mínimo legal, o que realmente estão a prosseguir - e com uma eficácia tremenda! - é uma estratégia de desemprego elevado que atinge exactamente quem se anunciava querer proteger: particularmente aqueles que dificilmente poderão aspirar, com realismo, a um primeiro emprego que não consista em trabalho indiferenciado ou semi-indiferenciado." AQUI


Reitor

A Ler Com Atenção, Especialmente Pelos Defensores do Estado Central. Os Do Costume.




Reitor

domingo, 5 de janeiro de 2014

Nada Como Um Texto Cómico e Cheio De Piada Para Entrarmos Em 2014

 
Caia na real, Bercina.
 
Não acha que a IGEC promove a delação?
 
E, sinceramente, acha que vivemos num Estado de direito (minúscula propositada)? 1, 2, 3....? Sim, liliputiano, por certo.
 
Democrático? Só se a democracia se resumir a eleições.
 
Para a sua declaração ser completamente disparatada, só faltou dizer que Portugal é um país desenvolvido e que "um euro nas mãos das autarquias vale mais do que em qualquer instituto ou empresa pública"
 
Pergunte ao Seu Zé se não tenho razão?
 
Continuação de bom ano.
 
 
Reitor

Prepare-se o Panteão




Afinal, a Amália também lá está.

Adeus Eusébio.

Reitor

sábado, 4 de janeiro de 2014

Tachos Para Os Amigos

Claro que isto (sublinhados meus):
1.4 – Área de formação preferencial ao perfil: Grau de licenciatura em área central na lecionação em escolas dos ensinos básico e secundário (matemática, língua portuguesa, história, entre outras). 
1.6 – Experiência profissional preferencial: Experiência profissional comprovada no desempenho de funções inerentes ao cargo a prover: experiência profissional nas áreas das atribuições e competências específicas exigidas, designadamente nos âmbitos da concretização regional das medidas de administração e do exercício das competências periféricas relativas às atribuições do Ministério da Educação e Ciência (MEC), e da orientação, da coordenação e do acompanhamento das escolas, promovendo o desenvolvimento da respetiva autonomia, e articulando com as autarquias locais, organizações públicas e privadas nos domínios de intervenção no sistema educativo com vista ao aprofundamento das interações locais. Experiência profissional no desempenho de cargos de direção. Experiência na área da educação no plano da concretização, a nível regional, das medidas de administração e exercício das competências periféricas relativas às atribuições do Ministério da Educação e Ciência, bem como no domínio da coordenação e do acompanhamento das escolas e articulação com as autarquias locais e outras organizações, públicas e privadas, com intervenção no sistema educativo. Experiência de contacto com autarquias locais, instituições públicas e privadas da área da educação e formação. Conhecimentos da Escola como professor. Experiencia na formação de professores e na gestão escolar e da rede escolar.

 Tem a ver com isto (só um ceguinho não vê):

 
Mais uma  vez, nitidamente, a mãozinha do Casanova. Crato  está a milhas de práticas amiguistas, às claras. Quem dá as ordens não é ele (Crato), mas é ele que se deve demitir.
 
Inspirado aqui
 
 
Reitor